Pascal Ackermann vence a segunda etapa do Giro d’Italia 2019

O alemão ganhou  sua primeira corrida no Grand Tour

Pascal Ackermann (Bora-Hansgrohe) venceu sua primeira etapa num Grand Tour, com a vitória na segunda etapa do Giro d’Italia 2019.

Selecionado para o Giro à frente de Sam Bennett, que venceu três etapas na corrida do ano passado e tem seis vitórias até agora em 2019, o alemão não perdeu tempo ao vencer um grupo de sprinters, terminando em Fucecchio.

O campeão italiano, Elia Viviani (Deceuninck – Quick-Step), ficou em segundo lugar, depois de saltar para a roda de Ackermann pouco antes da linha, com Caleb Ewan (Lotto-Soudal) em terceiro, Fernando Gaviria (Emirados Árabes Unidos) em quarto e Arnaud Démare (Groupama-FDJ) em quinto.

O titular da camisa azul, Giulio Ciccone (Trek-Segafredo), fez parte da fuga do dia, tirando o máximo de pontos no topo de ambas as subidas categorizadas para consolidar sua liderança na competição do rei das montanhas.

A classificação geral mantém-se inalterada, com o grupo terminando em conjunto, sendo que Primož Roglič (Jumbo-Visma) usará a camisa rosa pelo segundo dia consecutivo em outro dia longo e plano no terceiro estágio, que provavelmente também resultará em um sprint finish.

Após a curta etapa de abertura da primeira que terminou com uma subida brutal, a segunda etapa proporcionou um longo dia de corrida.

Começando em Bologna, o pelotão percorreu 205 km até o Fucecchio, realizando duas subidas categorizadas antes de um provável sprint final.

Um clima miserável acompanhou os ciclistas ao sair de Bologna, com a fuga partindo cedo e estendendo rapidamente uma vantagem máxima de 4’30” sobre o pelotão. A fuga continha: François Bidard (Ag2r La Mondiale), Marco Frapporti (Androni-Sidermec), Mirco Maestri (Bardiani-CSF), Lukasz Owsian (CCC), Sean Bennett (EF Education First), Damiano Cima (Nippo-Vini Fantini) , Giulio Ciccone e William Clarke (Trek-Segafredo).

Frapporti venceu o primeiro sprint intermediário à frente de Cima e Maestri, antes de Cima ganhar o segundo com o vice-campeão Maestri.

Ciccone, que está com 1’28” da classificação geral, vestiu a camisa azul do rei das montanhas depois de subir a escalada de San Luca mais rápido no primeiro estágio. Depois que seu companheiro de equipe, Clarke, trabalhou muito para acelerar a primeira escalada, Ciccone atacou, levando Bidard, Bennett e Owsian com ele e dividindo o grupo. O italiano chegou ao cume primeiro para garantir que ele usaria a camisa azul novamente no terceiro estágio.

O novo grupo de quatro líderes viu sua diferença diminuir gradualmente, com um número de equipes de CG compartilhando o trabalho na frente do pelotão. Faltando pouco menos de 30 km, um acidente no pelotão derrubou Jasha Sütterlin e Héctor Carretero, da Movistar, o que representou mais um revés para a equipe espanhola, após o mau desempenho do líder Mikel Landa no primeiro tempo.

Houve um forte vento de proa quando o intervalo abordou a segunda subida categorizada para San Baronto, com Ciccone novamente alcançando o topo primeiro, para estabelecer uma vantagem de 15 pontos na competição do rei das montanhas.

Os quatro líderes continuaram a trabalhar juntos, mesmo quando viram sua vantagem cair para apenas 10 segundos a 10 km do final. No final do pelotão, Giacomo Nizzolo (Dimension Data) sofreu um furo, terminando suas esperanças de levar a vitória na etapa.

A Bora-Hansgrohe veio para a frente quando o pelotão anulou o intervalo com 7 km para o final, com a equipe alemã olhando para definir as coisas para o seu velocista Pascal Ackermann.

A estrada estreitou-se quando a corrida entrou nos 3 km finais, com o pelotão descendo para Fucecchio, com o velocista Manuel Belletti (Androni Giocatolli – Sidermec) também a perfurar pouco antes do estandarte de 1km.

Como o pelotão acelerou em direção à linha de chegada, um ciclista da Groupama-FDJ caiu, mas conseguiu não derrubar seu velocista, Arnaud Démare. Enquanto os homens que aceleram se afastavam, Caleb Ewan (Lotto-Soudal) abriu o sprint, com Fernando Gaviria (Emirados Árabes Unidos) e Elia Viviani (Deceuninck – Quick-Step) logo atrás.

Pascal Ackermann fez o seu próprio caminho, carregando Viviani em seu volante, mas o alemão conquistou sua primeira vitória num Grand Tour.

A terceira etapa provavelmente proporcionará outra oportunidade para os velocistas. O trajeto de 220 km de Vinci para Orbetello apresenta uma subida de quarta categoria no Poggio L’Apparita, a 40 km do final.

 

2ª etapa do Giro d’Italia 2019: Bologna para Fucecchio (205km)

  1. Pascal Ackermann (Ger) Bora-Hansgrohe, em 4h-44’43”
  2. Elia Viviani (Ita) Deceuninck – Quick-Step
  3. Caleb Ewan (Aus) Lotto-Soudal
  4. Fernando Gaviria (Col) UAE Team Emirates
  5. Arnaud Démare (Fra) Groupama-FDJ
  6. Davide Cimolai (Ita) Israel Cycling Academy
  7. Viacheslav Kuznetsov (Rus) Katusha-Alpecin
  8. Jasper De Buyst (Bel) Lotto-Soudal
  9. Kristian Sbaragli (Ita) Israel Cycling Academy
  10. Rüdiger Selig (Ger) Bora-Hansgrohe, todos ao mesmo tempo

 

Classificação geral após a segunda etapa

  1. Primož Roglič (Slo) Jumbo-Visma, 4h57’42”
  2. Simon Yates (GBr) Mitchelton-Scott, 19”
  3. Vincenzo Nibali (Ita) Bahrain-Merida, 23”
  4. Miguel Ángel López (Col) Astana, 28”
  5. Tom Dumoulin (Ned) Sunweb, m.t.
  6. Rafał Majka (Pol) Bora-Hansgrohe, 33”
  7. Tao Geoghegan Hart (GBr) Team Ineos, 35”
  8. Laurens De Plus (Bel) Jumbo-Visma, m.t.
  9. Bauke Mollema (Ned) Trek-Segafredo, 39”
  10. Damiano Caruso (Ita) Bahrain-Merida, 40”

Chris Anderson

R&D da LIKE bikes, ciclista e mecânico de bicicletas.