“Parecia que estávamos contra o resto do mundo”: a negatividade aproximou o Team Sky, diz Chris Froome

No decorrer do Tour, os atletas do Team Sky, principalmente Chris Froome, sofreram com os socos, os espetos e as vaias. Acontecia todo tipo de coisa, alguns espectadores até cuspiam em direção aos atletas e algumas vezes, acertavam o alvo.

“Eu acho que quando existe uma negatividade como essa, a equipe fica mais próxima, eu definitivamente senti isso entre nós”, disse Froome. “Nós nos unimos e nos sentimos como se estivéssemos contra o resto do mundo e que estávamos aqui para vencer a corrida. Foi incrível”.

“Foi mais difícil do que anteriormente, mas Geraint lidou extremamente bem com esses fatos e com a camisa amarela”.

A polícia prendeu pelo menos um homem que deu um soco em Froome no Alpe d’Huez, com outros sendo vistos atacando o tetra campeão do Tour na escalada mais famosa da corrida.

Geraint Thomas também teve seus problemas. No estágio 17, um espectador estendeu a mão e quase fez o galês bater nos metros finais do Col de Portet. Várias placas dizendo, “Sky go home” ou “Sky dopers” nas mãos de algumas pessoas ao redor da estrada, todo mundo contra.

A tensão aumentou nos meses anteriores ao Tour 2018, o caso de Salbutamol de Froome não tinha sido resolvido e um movimento se formou para impedir que ele competisse o Tour. O caso foi resolvido na semana de abertura do Tour, mas muitos acharam que não era a decisão correta.

“Sempre haverá ódio”, disse Thomas. “Mas nós trabalhamos duro. Nós nos esforçamos para sermos melhor que poderíamos ser ”.

Thomas manteve sua camisa amarela no penúltimo dia de prova. Em Paris, ele deve se tornar o sexto vencedor do Tour de France do Team Sky, um domínio realmente muito grande da equipe.

Alguns dizem que o estilo de corrida e dominância do Team Sky não contribuem para o show do ciclismo e deixam a corrida numa visão chata, mas esse domínio não é motivo de preocupação para Thomas.

“Estou muito feliz com isso. Isso não é um problema. Foi uma ótima corrida”, disse Thomas. “Obviamente, somos fortes. Eles são todos ciclistas incríveis por conta própria”.

A atenção voltou-se mais para Thomas do que para Froome, à medida que Thomas cresceu e se tornou o líder da equipe. Ele andava de amarelo sem ter que responder muitas perguntas sobre como funciona o pelotão no ciclismo moderno.

“Eu não sei, o que você pode dizer? Eu faço do jeito certo. A equipe faz do jeito certo”, disse Thomas. “Nós treinamos muito, muito duro. Não há nada que eu possa fazer para provar isso, mas nosso estilo vai resistir ao teste do tempo”.

“Não há mais nada a dizer. Nosso trabalho foi muito bom, aconteceu um pouco de tudo, mas é bom saber que está valendo a pena”.

Chris Anderson

R&D da LIKE bikes, ciclista e mecânico de bicicletas.