Fernando Gaviria vence o sprint da terceira etapa do Giro d’Italia 2019

Tao Geoghegan Hart foi um dos vários ciclistas que se envolveram num acidente nos últimos cinco quilômetros

Fernando Gaviria (Emirados Árabes Unidos) conquistou a vitória na terceira etapa do Giro d’Italia 2019, depois que Elia Viviani (Deceuninck – Quick-Step) cruzou com Matteo Moschetti (Trek-Segafredo) no sprint final.

Arnaud Démare (Groupama-FDJ) terminou em segundo com Pascal Ackermann (Bora-Hansgrohe) em terceiro.

Ackermann atacou mais cedo, mais uma vez, com o campeão italiano grudado em sua roda antes de lançar seu sprint em condições de vento forte.

Moschetti pareceu não reclamar quando se deparou com a linha de chegada, enquanto Gaviria cumprimentava Viviani para parabenizá-lo.

No entanto, o Giro d’Italia twittou logo após o final: “O júri assistiu ao vídeo do sprint e decidiu relegar Elia Viviani. O vencedor é Fernando Gaviria”.

Tao Geoghegan Hart sofreu um acidente nos últimos 5 km, quando o compatriota James Knox (Deceuninck – Quick-Step). Ele agora se encontra em 57º lugar no geral, com Primož Roglič mantendo sua camisa rosa pelo terceiro dia consecutivo.

Laurens de Plus (Lotto-Soudal), que ao lado de Geoghegan Hart estava entre os dez primeiros no CG, 35 segundos atrás de Roglič no início do dia, terminou em 159º na terceira etapa, cruzando a linha mais de 15 minutos depois da Gaviria. O belga encontra-se agora em 161º lugar no GC, com 15’54”.

A quarta etapa deve proporcionar mais um dia que provavelmente não causará grande reviravolta na CG, mas deverá proporcionar um vencedor imprevisível, com a linha de chegada subindo, em pequeno aclive.

A terceira etapa trouxe mais uma oportunidade para os velocistas, depois que Pascal Ackermann venceu o duelo de abertura dos homens rápidos na segunda etapa, com apenas dois sprints intermediários e uma subida de quarta categoria para manter o pelotão entretido ao longo dos 220 km de estrada de Vinci a Orbetello.

No que foi um incidente de incompetência ou crueldade, apenas um ciclista fez a pausa do dia. Sho Hatsuyama (Nippo Vini Fantini) fez sua estreia no Grand Tour, o ciclista japonês era o único representante de sua nação na corrida deste ano depois que seu compatriota, Hiroki Nishimura, terminou fora do tempo limite na primeira etapa de 8km.

Hatsuyama, que abriu uma folga máxima de quase cinco minutos durante o dia, cruzou o primeiro ponto intermediário, com Arnaud Démare no pelotão.

Com 78 km, a vantagem de Hatsuyama começou a cair, com o ritmo do pelotão subindo e causando uma divisão temporária, que reduziu a vantagem de 1’30” para apenas 30 segundos após outros 2km de corrida. No próximo quilômetro, ele foi prontamente pego, tendo passado quase 145 km.

O nervosismo parecia agarrar o pelotão quando se aproximavam do segundo sprint intermediário, com Bora-Hansgrohe trazendo Pascal Ackermann para a frente e Caleb Ewan (Lotto-Soudal) também subindo. No entanto, tudo se acalmou um pouco antes da linha, com Arnaud Démare em primeiro lugar para tirar o máximo de pontos desta vez, o que significa que agora ele lidera a classificação de sprint, com quatro pontos de vantagem sobre Michael Schwarzmann (Bora- Hansgrohe).

Faltando pouco menos de 50 km para o final, a moto da televisão bateu em Tao Geoghegan Hart (Team Ineos) e nos carros da equipe. Com um joelho ensanguentado divulgando que ele havia caído, mas o britânico retornou ao pelotão.

O titular da camisa azul Giulio Ciccone (Trek-Segafredo) veio à frente para uma escalada solitária, a de quarta categoria no Poggio l’Apparita, para reivindicar o máximo de pontos de escalada e ampliar sua liderança de rei das montanhas, com 18 pontos sobre François Bidard (Ag2r La Mondiale).

As equipes dos velocistas começaram a formar seus trens na frente do pelotão enquanto passavam sob a bandeira de 10 km, procurando proteger seus favoritos para a vitória, enquanto se dirigiam para um final técnico com ventos fortes.

De repente, a Movistar viu Richard Carapaz sofreu uma pane mecânica, com Antonio Pedrero cedendo sua bicicleta para que o time espanhol pudesse tentar algo na CG, enquanto se dirigiam para a linha de chegada.

A 5 km de distância, um acidente derrubou James Knox (Deceuninck – Quick-Step) e Enrico Battaglin (Katusha-Alpecin), com muitos ciclistas incluindo Tao Geoghegan Hart sendo prejudicados.

O Team Emirates e a  Groupama-FDJ lideraram o grupo até ao final, com os ciclistas impondo um ritmo feroz.

Depois que Pascal Ackermann lançou seu sprint, Viviani escolheu pegou a do alemão mais cedo do que ontem, o que significava que ele poderia dar a volta no alemão para cruzar a linha de chegada em primeiro.

Alguns minutos após o término, foi divulgada a notícia de que o campeão italiano havia sido relegado pelo júri depois de considerar que ele havia impedido Matteo Moschetti no final. O ciclista da Trek-Segafredo, no entanto, não apareceu com nenhuma queixa ao cruzar a linha como visto nos replays da televisão.

Isso significa que Fernando Gaviria, que parabenizou Viviani pela linha de chegada, foi promovido ao primeiro lugar, com Arnaud Démare em segundo e Pascal Ackermann em terceiro.

A quarta etapa prevê mais um dia de corrida que dificilmente atrapalhará a liderança da corrida de Primož Roglič, embora o final da subida deva proporcionar uma corrida imprevisível.

Resultados

3ª etapa do Giro d’Italia 2019: Vinci para Orbetello (220km)

1. Fernando Gaviria (Col) UAE Team Emirates, em 5h23’19”
2. Arnaud Démare (Fra) Groupama-FDJ
3. Pascal Ackermann (Ger) Bora-Hansgrohe
4. Matteo Moschetti (Ita) Trek-Segafredo
5. Giacomo Nizzolo (Ita) Dimension Data
6. Jakub Mareczko (Ita) CCC
7. Davide Cimolai (Ita) Israel Cycling Academy
8. Manuel Belletti (Ita) Androni Giocattoli – Sidermic
9. Christian Knees (Ger) Team Ineos
10. Sacha Modolo (Ita) EF Education First, todos ao mesmo tempo

Classificação geral apo´s a 3ª etapa

 

Chris Anderson

R&D da LIKE bikes, ciclista e mecânico de bicicletas.